sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Semana 6 – Amor de verão

É verão, a estação do ano em que você deixa de lado a masturbação crônica e sai por aí esbanjando sua beleza nesse clima que oscila entre o “inferno” e o “inferno extremo”. A vibe “sou praieiro, sou guerreiro, tô solteiro, quero mais o quê?” é um convite para que você entenda que stalkear aquele barbudo lindo, comer coxinha, alterar a frequencia normal dos banhos e acumular gordura são coisas para web-celebridades. Carpe diem é a tag para os dias ensolarados e encontrar um amor de verão é in muito antes do lingerie day lhe mostrar que o amor é possível .



O amor de verão pode ter várias facetas: corpo bronzeado, sunga vermelha, peito cabeludo, barba, pernas depiladas, além de uma variedade de tipos e tamanhos. Você só precisa ter sorte para que ele perceba sua existência e te escolha. Para chamar a atenção do futuro affair, opte por um look que valorize seu dorso e coxas, afinal, a praia é o único lugar onde sua criação cristã permite que você ande semi nu sem ser preso por atentado ao pudor ou ser punido por Deus.

Mostre o seu espírito avant-garde, abuse da bermuda de tactel, chinelos e óculos escuros, a santíssima trindade do bom gosto e a prova de que você não se incomoda de parecer um mendigo na hora da conquista. Como a coisa anda muito difícil, sempre preste atenção na arcada dentária do amor! Ter todos os dentes é mais fundamental que saber a diferença entre mais e mas.



Lembre-se, amor de verão dura pouco tempo, por isso, quando for sair com o turista francês que você conheceu em algum site de relacionamento para maiores de 18 anos, tome cuidado para não falar sobre Lana Del Rey e seu sofisticado gosto musical, ou a única lembrança que vai ficar é a visão daquele corpo que você jamais tocou.

12 comentários:

George Marques disse...

Juro que não entendi como você conseguiu me definir sem nem me conhecer: "corpo bronzeado, sunga vermelha, peito cabeludo, barba, pernas depiladas, além de uma variedade de tipos e tamanhos." Era eu na praia este fim de semana. EU hein.Aliás, sem pelos no peito. rs

Eric disse...

Hahahaha, muito bom o texto, morri de rir. Mas acontece bem assim mesmo :D. Tive que me acostumar com esses amores de verão, que passam e não voltam mais.. tive 2 desses. Mas o que vale é aproveitar a passagem ~o que fiz muito bem~

Márcio Raineki disse...

"Ter todos os dentes é mais fundamental que saber a diferença entre 'mais' e 'mas'."

Os amores de verão são abre-alas pra algo bacana que pode acontecer na vida: expressa o sentmento de saudade daquele que parte para uma possivel volta (as vezes defintiva) além de termos experiencia do q julgamos ser especial pra nossa vida afetiva, coisas dos ciclos da vida.

Adorei o texto, cada dia melhor. Além de ser uma saga para o encontro com o amor em 365 dias, também são historias que cada um que ler aqui, vai estar reunindo as lembrancas do quanto é e foi bom ter vivido para termos a personalidade/carater de eternos apaixonados.

Bjao Heter! :3

Anônimo disse...

Se vejo de sunga vermelha broxo na hora, ixe.


@jaotonho

luciana mendonça disse...

"web celebridades" =p faz tempo ñ posso ter amores d verão..mas qdo podia, aproveitava muito! Aproveitem ai q tão solteiros e são praieiros!

Heterofobia disse...

jaotonho, sunga é algo broxante, independente da cor! Prefiro que os mocinhos usem bermudas!

FOXX disse...

kkkkkkkkkkkk
adorando tudo aki

Dani disse...

Gente, pra mim a sunga só é um pecado quando tem uma barriga derramada sobre ela. Nada contra barriguinha, me refiro àquela gola V entre barriga e pênis rs... fora isso, nada contra.

Amor de verão tem o plus de os amores estarem "em trânsito", ou seja, é mais ou menos como no programa do Rodrigo Faro: "onde cê mora???"

Bruno disse...

vc tá aconselhando pessoas ou tá procurando um amor de verão????
aiuehoieuahaeoiuhaeuioea

adorei, mas fiquei confuso com o tema blog/post

obs: no rio, pelo menos, optam por sunga a bermuda

Rodrigo Silbat disse...

gola V entre barriga e pênis? kaaaaakakakakak Ri, Ai adorei acho que essa confusão que o bruno se refere, entre conselho e procura, é a impressão que eu tenho de ser um conselho para ser como a normatividade age. Aí reside a sua forma ímpar de humor, Rir pela desgraça da solidão, da situação posta e estática.

Jorge Ramiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Teu blog é vida <3